Muitas famílias portuguesas têm um profundo desejo de comprar casa própria. Mas, agora, há um conjunto de obstáculos a superar para cumprir este sonho. O atual cenário económico mundial, marcado pela guerra e pela inflação, tem acelerado a evolução dos preços das casas. E também os créditos habitação estão a ficar mais caros com a subida das taxas de juro Euribor. A questão é que os rendimentos familiares há muito que não sobem ao mesmo ritmo que os preços das casas. E este fosso entre os dois está a ficar cada vez maior: em Portugal os preços das casas superaram os salários em 47,1% no primeiro trimestre de 2022, tornando-se assim no país da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) onde esta diferença é maior.

Ler artigo completo aqui 

Fonte: Idealista